quinta-feira, 30 de abril de 2009

Quer saber? A gente está é se dando bem!


Neste cenário de crise financeira internacional, onde tudo está ruim, empresas estão demitindo, bancos sendo fechados - até o momento praticamente só eles se deram mal de verdade - bolsa caindo e pessoas em pânico, quem se deu bem?

Nós! Os consumidores estamos nos dando bem. Ao menos aqui no Brasil não tenho muito o que reclamar da crise. Eu não troquei de carro, mas não posso ignorar que os preços de um zero quilômetro caiu com a redução do IPI. Agora então que a redução se extendeu a algumas categorias de eletrodomésticos, quem estava com casamento marcado e montando apartamento aproveite mais este motivo para comemorar.

O que eu quero dizer é que para as empresas lucrar, não apenas o governo, mas elas também estão precisando lidar melhor com suas promoções e margem de lucro e isto tudo é vantagem para o consumidor.

Para nós, brasileiros analfabetos políticos e com grandes problemas de administração pública, a ponto de termos que lidar com o vidro jateado da transparência fiscal, ainda existe a questão de nos sentir bem em pagar menos impostos, já que não fazemos idéia de como nosso dinheiro é usado.

Então, como consumidor, nem quero reclamar desta crise e espero que os inventivos administradores criem novas formas de continuar vendendo. Obrigado.

Acesse também:
Neste mesmo dia, em outro ano:

4 comentários:

Glauco Paiva disse...

O problema, meu caro, é qua a crise não é só financeira, é "de confiança", como dizem alguns especialistas... Muitos consumidores estão diminuindo seus gastos e poupando mais. Todo o esforço pela facilitação de crédito e cortes de impostos não vão, necessariamente, reaquecer a economia, já que gente como a gente não está aproveitando a oportunidade para trocar de carro...

Leandro Bulkool disse...

Mas isto é bom pra gente, assim o que a gente realmente quer ou precisa comprar acaba passando por esta questão de baixa procura. Nos damos bem.

Glauco Paiva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Claudia disse...

Em crises anteriores (claro que nenhuma delas era tão grave quanto esta) eu trabalhava em empresas nacionais de telecomunicações. Pela primeira vez estou em uma indústria multinacional e posso te garantir: tá difícil. Terei redução de carga horária e redução de salário em maio e, talvez, em junho. Nunca senti uma crise na pele como agora. Menos mal que não estou na Vale que manteve sua margem de lucro mas demitiu 1500 ao primeiro sopro da marolinha da crise. De qualquer forma, com ou sem promoção, não compro mais nada. Nem tão cedo.
=/