segunda-feira, 5 de maio de 2008

O papel da imprensa

Sou casado com uma jornalista, a maioria dos meus amigos mais próximos são jornalistas, alguns trabalham em redações, outros em assessoria de imprensa e uns poucos longe da imprensa quente, mas como redatores ou tradutores. Não só pra mim, mas para quase todos eles, existe uma certa indignação com o papel que a imprensa tem prestado.

Fico muito incomodado ao perceber que as notícias do caso Isabella e do austríaco que prendeu a sua filha por 24 anos é repetido em todos os jornais. Eu já me perguntava qual era a objetivo e função dessa repetição, então veio o caso do nosso "embaixador" da Unicef. E os outros ficaram um pouco mais apagados.

Assim, infelizmente, só posso realmente concluir que embora vivemos em um mundo da hyper comunicação, extremamente dinâmica, já que podemos saber hoje a tarde o que aconteceu no Vietnã na hora do almoço, a imprensa mostra-se fraca em cumprir o seu papel como veículo de informação e coloca todas na mesma linha de "Contigos" e "Caras" com diferentes apelos editoriais, mas sempre sensacionalista. As vezes muito bem disfarçada.

Um comentário:

Fasa disse...

Concordo em gênero, número e grau, mas gosto de refletir sobre o contra-argumento de que a imprensa se presta a esse papel porque... vende. Vende jornal e espaço publicitário em TV no Jornal Nacional. Então, na mesma linha dos políticos, cada país tem a imprensa que merece... Mais sobre isso em mesa de bar.