terça-feira, 15 de julho de 2008

"Why so serious?"


Fico quase sem palavras. Ontem a noite, eu e mais ou menos outras 700 pessoas assistiram a pré-estréia de Batman: Cavaleiro das Trevas. Uma produção genial em todos os aspectos, desde as campanhas de divulgação do filme, como a impressa e o ARG, até o lançamento. Além dessa divulgação tenho certeza que algumas pessoas irão ao cinema para ver o último trabalho de Heath Ledger e serão agraciados com uma grande atuação.

Bom, sobre o filme. É um filme tenso e denso. Longo, mas se tivesse um minuto a menos estaria perdendo. Grandioso, com trilha sonora, interpretações, roteiro e direção de arrepiar. E o filme é do Coringa, por mais que Christian Bale tenha se firmado como o melhor Batman até o momento, e as atuações de Michael Caine (Alfred), Aaron Eckhart (Harvey Dent) e Gary Oldman (Gordon) estejam geniais, quem conduz e dá o ritmo é Heath Ledger, que reinventa o personagem, ultrapassando mais uma linha, como as que foram quebradas em "A Piada Mortal" e "Asilo Arkhan". Sem nenhum "spoiler" posso dizer que fiquei preso na poltrona da primeira a última cena do filme e ele ultrapassou todas as minhas expectativas (as quais eram muito altas). Vou assistir de novo.

4 comentários:

Fasa disse...

Eu fiz luto tardio pelo Heath Ledger... E acho que a Academia - que adora essas presepadas - vai dar-lhe o Oscar póstumo. Se bem que, nesse caso, é merecido...

Gavlês disse...

Mas ele também criou o Coringa para ser um personagem One Shot... Ou seja, o problema é que ser palhaço metido a gênio do crime é complicado, requer um grande argumento... E sem contar que o Batman da época usava armas....

Síndico disse...

Gaulês, parece que o criador do Coringa não concorda muito com você:

"Não criei o Coringa como psicopata. Criei um palhaço metido a gênio do crime". - Frase de Jerry Robinson, após ser questionado sobre a relação da morte de Ledger e a imersão no personagem.

Gavlês disse...

Na verdade, sendo chato e nerd pra c@r@¨&o, ele não reinventou não...

Nolan se baseou no Joker na primeira aparição dele nos quadrinhos, um "agente do caos", um assassino sem piedade, e outros clichês do gênero...

Mas o filme é excelente!